30 de jan de 2011

Karina Revistada




“Nunca mais me dêem um papel em branco, nunca, nunca mais me dêem um papel em



"Nunca mais me dêem um papel em branco, nunca, nunca mais me dêem um papel em branco”

Era apenas isso que escrevia e era o que estava escrito.

E Karina será revistada em sua queda, e não na sua trajetória, modo que sempre analisamos a todos os seres humanos. A física diria que o destino da queda é descrito na sua trajetória, mas, involuntariamente, somos seres humanos...

“Salvem os Frascos e os Comprimidos!” Gritava.

Era o meu ultimo dia nessa cadeira. Chega de pessoas, deveres, perrengues , pessoas querendo de volta carros, dinheiro, necessidades, pessoas querendo muitas coisas, o ultimo dia queria que fosse especial, dedicaria um pouco de atenção, mas queria realmente me envolver com algum caso. Não poderia estar mais interessado, o apartamento foi fechado e a corrida de parentes querendo as coisas começa a acontecer. Tenho medo de apenas guardar valores para os outros, penso alto, muitos tapas nas costas, pessoas querendo me chamar para beber, mas eu vou embora, não ligo, outro dia eu volto, mas hoje, quero ir pra casa, vou ouvir a ultima pessoa pela ultima vez, fechar a pasta e ir embora.O primeiro chamado foi do sindico, que ouviu uma senhora gritando, não sei a onde e nem com quem, ele não me relatou, apenas nos acionou com imprecisão.

Geralmente eu daria um coro se entrasse assim desse jeito, mas deixei o rapaz entrar

Um pouco mais alto que um suspiro ou um murmúrio, assim se deu a sua escrita. Era ela, ainda deitada em um corredor, porque tudo era um corredor, tudo no final tem uma porta a qualquer lugar que olha e longo, muito longo, era esse outro corredor, mas pensava, que se esticasse as pernas, poderia alcançá-lo em toda a sua extensão – “Mas não era porque o corredor é curto” – Corrige-se – “É porque eu tenho as pernas muito, mas muito longas”...Outros viriam, mas era muito, mas muito divagar, e ela nem ligava para os dois dentes que cuspira, ela tinha vergonha dos pés.

Pouca luz havia nela e no corredor, mas aqui distante estava a sua mente, vazia pros outros, mas cheia de si, era pouca ou escassa a luz de uma consciência sadia, como uma carne cheia de nervos era ela, cheia de nervos, cheia de dores no chão, arruinada, esgueirava-se entre a sujeira e os cacos, que era a junção da varanda, assim como um nervo junta um pedaço de carne era a “ruína” onde seu corpo iria fatalmente pousar, pois repouso era para pombos – Uma ruína, uma coisa desabitada Maia perdida no mato. Um quarto. E a esgueira era entre ele e uma varanda fechada, quebradiça e enferrujada, para o que poderíamos de chamar de área. Cortava-se do que muitos pensavam que era vidro, mas ela chamava de dignidade ou consciência. Era cheia de nervos, dores, cascos, cacos e vidros pelo chão. Hora era chão, hora era minuto e muito tempo era um piscar. Não conseguia andar não sabia o motivo, apenas tinha caído esquecido de como – andar e cair - e em queda via lentamente as coisas.

- Foi engraçado como eu conheci essa garota – Dizia enquanto colocava um band-aid em seu joelho – Era uma menina normal, como a minha filha ou a sua, como quando alguém nunca percebe que a loucura pode bater ou se instaurar em uma mente, assim ela chegou aqui, era ma mulher como outra qualquer...

- Eu acho que você se prende muito a pacientes.

- Ela lembra a minha mãe, lembra muito a minha mãe, não sei porque, ela não se parece nem um pouco com a minha mãe. Não é porque tenho uma pele escura, mas lembro de coisas que minha mãe fazia por mim, lembro de situações que a gente passava e de coisas que a gente vivia e volta e meia me pergunto: O quanto eu torturei a minha mãe? O quanto ela foi e voltou dessa divisa? Como foi o nível para quase deixar louca a minha mãe? Mas a gente sempre se falou e sempre se reencontrou de novo em nossas buscas, em nossas reclamações.Ainda mais depois que eu encontrei esse papel

(Uma folha de papel toda rabiscada dizendo “Nunca mais me dêem uma folha de papel em branco”)

- Ela reclamava antes nas terapias em grupo, antes ela falava, ela conversava, ela era uma mulher dinâmica aqui dentro, ela tinha noção que vinha para um repouso e sabia que poderia voltar a qualquer momento, tinha essa plena certeza de que tudo iria voltar ao normal, mas eu comecei a entrar no universo dela também, estranhamente eu fui entrando por essas arestas insanas que ela foi construindo....

- Mas eu tenho a ficha desse paciente, eu tenho certeza de que não foi só isso. Não é "uma" paciente...

- Eu não conheço a ficha dessa paciente João, eu conheço a VIDA dela toda. Ela apenas teve um colapso nervoso, ela apenas falhou com a sua mente por alguns instantes, ela apenas caiu em uma área estranha da mente, isso pode acontecer com qualquer um. É como um tropeço. Acontece que algum de nós pode tropeçar algum dia, mas não significa que ninguém vá ficar aleijado ela não é louca.

- Inquieto eu fico quando você entra escreve sobre os pacientes, as poucas linhas que você dedica escrevendo sobre, eu fico mais intrigado ainda, o que é...

Arranhavam o chão e o céu e o seu corpo magro e icteroso, era um lagarto a andar no chão, se machucando e cortando-se pela varanda mal varrida, entre as pedras e as lascas do assoalho, e pela marcha, lenta, de outros que vinham atrás ou a frente de si – Não discernia, achava que um corpo só tinha ordem e lógica quando estava de pé e não se arrastando - “O homem só é lógico quando de pé – pensaria em escrever com sangue em alguma parede, isso depois que achasse o dente que faria de caneta.

Podia ouvir a respiração de formigas, não sabia como funcionava a respiração das mesmas, mas entendia que podia ouvir tudo, por tão forte bater a cabeça no chão, com o ouvido colado no piso descascado. Seus movimentos eram lentos e muito dolorosos, como todo o mundo que fugia em câmera super-lenta. Os homens-branco calçados corriam em sua direção, andavam a todo vapor, mas engraçado – Sorria o seu rosto seco sem bochechas – eles andavam muito lentamente, pensou: Estou morrendo. Mas se falasse o que pensou, sairia em uma língua que ninguém entendia, exceto uma criança que morava na rua de baixo que sorria toda a vez que ela falava – “Ei Júlinha, você tem cabelnho de linha de telefone, me empresta um pra eu ligar pra casa pro meu filho” – A mãe tocava a menina na frente como se fosse um carrinho de brinquedo, com medo de que a roubasse. – “Nada pode roubar um filho da presença da mãe, nem a morte” – Assim, dizia a mãe de Julinha, mas ela não ouvia, era uma língua brinquedo apenas usada pelas duas.

Uma paciente em uma maca.

Uma mulher linda. De olhos tão azuis que seu anil fugia as pálpebras e como uma coisa incandescente escapava pelos cílios, grossos, de tão grossos, pareciam postiços e sombrios, veio como o sol e eu... O recém estagiário olhava a entrar a paciente como se fosse uma planta murcha, acariciava os seus cabelos com um cuidado muito extremo e delicado, era como se fossem fibras óticas reluzindo todo o sol, o brilho, ela era como Xanadu, era como uma deusa indiana caída, um anjo do céu que cortou os pulsos ao ter ciúmes de deus. Era apenas um anjo na maca, e ele , com olhos vidrados e apaixonados, tentava suturar um dos pulsos, cortados com uma faca cega.

Atendentes atendem um chamado estranho. Uma mulher velha estava nervosa.

- Senhora, para que possamos ajudar melhor, a senhora precisa ficar mais calma e falar mais calmamente ao telefone...

- é... eu sempre tiro o meu cochilo da tarde, mas com essa mulher gritando no apartamento debaixo, eu não conseguia dormir, eu era um desespero, eu estava calma, me continha, tentava não interfonar para o porteiro, sabe,eu não gosto de dar satisfação....

- tente abreviar senhora, essa é uma linha pública.

- meu filho, é que ela estava gritando e esculhambando ela mesma, ela não falava coisa com coisa, e simplesmente, ela deu um grito mais alto e parou de gritar, quando ela parou de gritar, eu achei muito estranho, e comecei a me preocupar para o que tinha acontecido com ela.

- sim, e daí...

- eu não gosto de me meter na vida dos outros, sabe, eu não invadi a casa dos outros, eu sei que toda a ligação que a gente...

- senhora

- ...faz para a polícia ou ao corpo de bombeiro, fica a marca da ligação ou a gravação até mesmo....

- senhoraaa....

- ...o que a gente fala hoje em dia tudo fica gravado no celular, no telefone público em qualquer lugar que a gente...

- ...putaquepariu...Suspira

- Desculpe meu filho – Susto – O senhor falou alguma coisa?

- não importa o que a senhora fez, eu gostaria de saber a conclusão da sua ida até o apartamento de cima.

- Eu não fiz nada, eu fui pra ver o que era, bom, a porta estava aberta, acho que ela queria ajuda, mas não teria coragem para pedir pra ninguém.

- E a mulher que gritava?

- Ela está caída no chão, tinha uma marca vermelha em volta do carpete, estava tudo ensopado no chão, eu não entendi nada, será que vocês demoram pra vir aqui? A moça é do andar de...

Esse pensamento de milésimos foi uma grande distração a não notar que seu corpo caia no chão, com uma força de vinte pedras grandes e pesadas, mas tarde, até mesmo se cortaria pensando em acusação a monstruosidade que fez ao acusar julinha de sua queda. Como uma cena da Discovery, o seu maxilar bate com muita força no chão, voam dentes, e pequenos grunidos e “crunches” de ossos poderiam ser ouvidos por todos. Karina, como defesa, queria ataca, queria correr, queria morrer, queria se desfazer de tudo e de todos, estou de férias, queria gritar, mas agora, tinha a liberdade nas mãos, era a liberdade em suas mãos que faziam ela, graciosamente, correr na alegria de matar, na alegria de degolar, na alegria de estripar qualquer ser que passasse na sua frente, com o sentido de liberdade, com o sentido de expressar o amor, mas o único que estava na sua frente queria que ela voltasse para um vidro de Frontal. O indivíduo que estava em sua frente queria que ela soubesse que ela era louca, mas ela não era e nem estava tão louca assim, ela era livre, tinha poderes sobre si mesma, era a verdade de ser si, mas caiu, como os que correm para viver, mas tropeçam por viverem a primeira vez, todos tropeçamos na primeira vez em tudo.

- O que mais me impressionava é que haviam apenas seis cores na sua casa. Eram seis cores apenas, isso me assustou, e ela fazia parte delas, das cores...É só isso que eu lembro, há e de uma senhora gritando, com o que e com quem eu não sei... – Tragava o cigarro.

- Porque o senhor fuma tanto?

- Tem que envolver algum tipo de vício para se falar de Karina, não posso dizer assim, falar de Karina é complicado...

- Sabe que não pode mais fumar em departamento?

- te peço desculpa, mas é que eu estou muito nervosa com isso tudo

- nervoso.

- desculpa, eu apago o cigarro e digo “Nervoso”.

- senta, não precisa, pode continuar fumando, eu fumo aqui dentro dessa porra também e fica a vontade.

(Silêncio. Desconforto. O outro ascende um cigarro e o outro ascende outro)

- como a conheceu?

- na rua, andando.

- na rua andando, mas assim tão vago, geralmente não se conhece ninguém na rua assim and...

- ela tava indo pro trabalho?

- não – pensou em dizer “idiota” depois, mas apenas tragou o seu cigarro – Ela trabalhava na rua.

- mulher de vida fácil?

- se ele ouvisse o senhor dizendo isso ia parar nas nuvens.

Era um apartamento sujo, um bairro sujo. Quando se reúne essas duas coisas, isso tudo se torna em um ninho para pessoas medíocres e egoístas, mas a câmera tinha começado a rodar e a rodar e todos os homens e lugares, coisas que se envolveu e coisas que a envolveram entra em cena.

- não tinha motivos pra fazer isso

- sabemos que foi, foi tentativa de suicídio e ela não ta morta.

- ta a onde?

- nós sabemos onde ela está

- onde ela está?

- alterações na fala, é isso mesmo? – traga o cigarro com os olhos fixos em seu interlocutor.

- desculpa, me desculpa é que...

- bom, não parecia se importar enquanto você dormia...

- esperava ela...

- esperava?

- é... estava lá há dias.

- eu sei, agora como tens a chave é que é intrigante, se o porteiro deixou subir é porque você tem a chave é a costumas a sua ia ao apartamento...

- da vitima? Que vitima.

Eu sabia que ela iria tentar correr ou fugir. O pedido de alta tinha sido negado de novo e por protesto, tinha sumido. Estava no seu canto habitual, eu iria encontra-la e eu a encontrei. O avental aberto dela denunciava um brilho metálico entre as mãos, na outra, muito vermelho, seis cores haviam em um cômodo. O amarelo, que era a cor de sua pele e cabelos, vermelho entre suas pernas e pelo cômodo, branco, do cômodo ao avental, a parede em degradê de cinza a preto ao brilho misto vermelho do bisturi, mas o impressionante ressalto eram os seus olhos, azuis como esse dia lindo.

Na outra mão segurava firme um objeto de carne, exprimido. Agora, eu to livre, não preciso mais ir embora, muito eu quis ir, mas não conseguia, agora eu consegui sair. Calma, a gente vai te levar de volta ao quarto, está tudo bem, você não tomou o remédio da manhã como a gente falou, então a gente vai levar você pra enfermaria.

Foda-se não vou pra lugar nenhum. Disse, e tentou rapidamente ir em minha direção, enquanto algo escorria além do vermelho dando uma outra cor ao cômodo, que era uma além do amerelo ou do vermelho-pus. Ela não ia me machucar, estava querendo um abraço, mas empunhava alguma coisa com as duas mãos e eu tenho certeza que não ia, mas lentamente, fui me pondo para trás dela, com medo de que eu estivesse errado. Uma senhora falava no fundo

Era como um vaso fálico que se quebrou em uma cena em que a seriedade do tombo faria com que todos cerrassem os dentes ou até mesmo fechado os olhos. Era uma bonequinha. De louça, mas a louça se partia. A cabeça ficava para baixo, não tinha forças para levanta-la - “Logo chegaram os “inferneiros”, pensava rindo ou ria pensando – Sabia que iria demorar mas mesmo assim sorria lentamente, era tudo muito calmo e lento, poderia sentir o processamento da dor no cérebro, sabia que ela chegaria e já tinha um antídoto preparado para ela em algum lugar do seu corpo. Já tinha feito e acumulado todo o esquema que poderia fazer para se manter focada, a verdade estava entre os seus dedos, expremida, sufocada... Era uma verdade que se libertava, que orgânicamente havia saído do seu corpo, com muita dor e sufoco, mas finalmente havia conseguido tirar ela de si mesma. Era um inferno e um céu dentro de uma real mulher, uma vida real, uma verdade real e um passaporte que estava expremido entre seus dedos, a sua liberdade, não tinha a ver com grades ou estar ali, a sua liberdade estava isenta de tudo e de todos. As prisões acabaram, pensava enquanto tremeluzia a sua roupa em milésimos durante a queda e mesmo quando, pelos braços e pernas que a levantaram, ela sorria, assustando até mesmo os ditos loucos – “Defendam os frascos e os comprimidos” - Gritava Célia, uma senhora amiga para apoiá-la naquela verdade - Ela sorria e deixava o seu corpo naquela lentidão e marasmo que seu corpo habitava e sentia. Era verde e viva a liberdade. A cor da liberdade é verde. Tentou falar para Célia, mas seu maxilar trincou e quase caiu, pois estava praticamente trincado com os dentes da frente.

Há muito, aquela que falavam, foi embora e não voltou mais, se perdeu, e por ali se encontrou, fora a saída de um quarto e a entrada em outro, não havia mais alguém. Se pudesse colocar uma placa de aviso em seu apartamento diria: “Sai de férias”. Mas não tirava férias, não ligava para feriados, no seu corpo se recreavam sempre, mas ela nunca se recriou como deveria, era disforme e obtuso seu andar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário