7 de set de 2013

Rolling Stones in Hell



Na minha tour pelo inferno fui visitar Sísifo ao terceiro dia.
Estava parado no alto do morro com a famigerada pedra do trabalho inútil e a multidão esperava ansiosa para vê-la rolar novamente.
Depois de três dias aqui ficou evidente que o povo se diverte com o castigo dos outros. Parece muito com o Brasil neste aspecto.
A pedra ainda não rolara. A multidão ensaiava um olé enquanto esperava. Essa espera já estava durando uns 15 minutos e eu pude notar que havia algo de errado com o espetáculo de tortura.
Foi aí que percebi que Sísifo chorava enquanto tentava equilibrar a enorme pedra no cume. Tentava livrar-se da pena injusta abandonando-a no lugar mais difícil.
Decidi ir até ele então.

- Quer ajuda, cara?

Meu grego é péssimo mas Sísifo pareceu entender. Equilibrei com ele a pedra e foi possível juntar apoio para a enorme esfera de rocha.
O castigo do desobediente e astuto demônio que enganara deidades e a morte só perdurara porque no inferno não há compaixão, companheirismo ou solidariedade.
Estava orgulhoso por poder trazer essa lição a massa cruel que logo se dispersou após ver que o show chegara a seu fim. O espírito de Sísifo estava liberto.

Enquanto apreciava a vista Sísifo tocou meu ombro:

- Angelo Vendetta, você sabe o porquê do inferno?

- Não.

- Isto é uma prisão. Todos aqui pagam por algum crime. Cuidado com o que você liberta... E obrigado.

De repente comecei a ficar bolado com o cachorro que libertei quando chegamos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário